Hoje faz um mês. Um mês desde a sua partida. E o tempo? O tempo não para.

Naquele dia, aquele fatídico 10 de julho, tudo parecia normal, normal dentro das nossas expectativas. Nós com as nossas orações e a senhora lutando pela vida. Às 23h43, ao escutar o vibrar do meu telefone, o mundo naquele exato momento parecia ter sumido. Foram 4 ou 5 segundos até que eu atendesse, mas foi o tempo para que um turbilhão de sensações passasse pelo meu corpo. O meu mundo desapareceu!

Não é fácil pra ninguém experimentar a dor da perda e nem justo dizer que o meu sofrimento é maior do que o do outro. Mas é simples como um copo d’água vazio sentir o buraco que se abriu no meu coração.

E o tempo, o tempo não para.

É tão estranho olhar ao redor e ver que nada mudou, que às 6h00 o relógio desperta para ninguém perder a hora, que as pessoas continuam correndo para não perder o ônibus, que a perua escolar chega para buscar o estudante, que na padaria eu continuo comprando o pão, que a novela das 9 ainda passa na TV.

E cá estamos, um mês sem você, sem o seu cheiro, sem o seu nobre olhar, sem a ternura do seu abraço, sem o suave toque das suas mãos, sem a delicadeza das suas visitas, sem a sua prazerosa companhia.

Dizem que a vida é pra quem sabe viver. E a senhora soube viver a essência da vida em toda sua intensidade. Como foi lindo participar da sua estada na terra e como é gratificante fazer parte da sua história vovó.

Mas na vida tudo serve como aprendizado e fica como lição. E como diz o ditado: “se não aprender no amor, vai aprender na dor”. E eu digo, MUITO MAIS na dor. Nessa nossa triste, mas inevitável, despedida, como eu aprendi com a senhora vózinha.

O buraco no peito ainda continua aqui, mas seguirei firme, valorizando o seu maior ensinamento – a união da FAMÍLIA.

Porque o tempo, o tempo não para.

 foto vó

Veja mais posts sobreamo minha família amor avó familia

Ola meninas e noivinhas de plantão.

Desde o ano passado eu tenho colocado algumas coisas sobre meu casamento, mas não podia contar muito porque ainda não tinha acontecido e como muita coisa era surpresa tive que esperar para contar pra vocês.

Mas a partir de hoje, uma vez por semana, vou contar um pouco de como foram os meus dias desde que fiquei noiva ate o grande dia…rsrs

E é claro, quero ajudar vocês que ainda não se casaram e já estão enlouquecendo com os preparativos.

Vamos começar pelo noivado…

Ja contei pra vocês que morei na Irlanda e foi nesse período que fui pedida em casamento.

Depois de 4 meses morando fora, meu namorado, na época, foi me visitar e tínhamos combinado de fazer um tour por alguns países da Europa.

Passamos pela Escócia, Inglaterra, Alemanha, Espanha e ultima parada Paris – Cidade Luz ou Cidade do Amor.

Paris foi o lugar escolhido, pelo namorado, a me pedir em casamento. Foi exatamente na virada do ano de 2011 para 2012 em frente a Torre Eiffel as 00h00 que o Le se ajoelhou tirou o anel do bolso e fez o pedido. E ele conseguiu me enganar direitinho, durante 20 dias de viagem ele escondeu para que eu não percebesse que ele faria a surpresa.

Foi uma emoção muito grande que se misturou entre meu sorriso e minhas lagrimas.

Então ai fica a dica para os futuros noivinhos…planejem antes de fazer o pedido, pois é uma data muito especial para nos mulheres.

E foi assim que fiquei noiva, na Cidade Luz, da maneira mais romântica e especial possível.

foto (98) foto18

Espero que tenham gostado de saber um pouquinho mais da minha historia.

Kisses amores

Veja mais posts sobre amor anel de noivado Franca love noivado Paris pedido de casamento torre eiffel Wedding